Florada utilizada pela Jatai:

  • Alfafa-do-campo (Stylosanthes scabra) (abril)
  • Alfinete (Sirene armenia) (janeiro a março)
  • Arnica-brasileira (Solidago chilensis) (junho a setembro)
  • Aroeira-branca (Lithraea molleoides) (setembro)
  • Aroeira- vermelha (Schinus therebentifolius) (dezembro)
  • Arruda (Ruta graveolens) (agosto a setembro)
  • Assapeixe (Vernonia polyanthes) (julho a agosto)
  • AstrapĂ©ia (Dombeya burgessiae) (abril a julho)
  • AstrapĂ©ia-rosa (Dombeya wallichii) (julho a agosto)
  • AzalĂ©ia-lilás (Rhododendron indicum) (abril a julho)
  • AzalĂ©ia-rosa (Rhododendron indicum) (agosto a setembro)
  • Babosa-de-flor-rosa (Aloe arborescens) (janeiro)
  • Beijo (Impatiens balsamina) (abril a junho e outubro a dezembro)
  • Bico-de- papagaio (Euphorbia pulcherrima) (abril a julho)
  • Calabura (Muntingia calabura) (outubro a dezembro)
  • Cambará-roxo (Eupatorium squalidum) (fevereiro a março)
  • Catinga-de-mulata (Iboza riparia) (junho a julho)
  • CharĂŁo (Toxicodendron verniciferum) novembro)
  • Chocalho (Crotalaria pallida) (março a maio)
  • CĂłleos – vários (Coleus spp) janeiro a março)
  • Confete (Lagerstroemia indica) (dezembro)
  • CoreĂłpse (Coreopsis grandiflora) (agosto a janeiro)
  • Coroa-de-cristo (Euphorbia milii var. splendens) (janeiro a dezembro)
  • Coroa-de-cristo-grande (Euphorbia milii var. milli (janeiro)
  • Cravo-do-campo (Senecio brasiliensis) (agosto a outubro)
  • CrĂłton - vários (Croton spp) (setembro a fevereiro)
  • Dália – várias (Dahlia spp) (abril a maio)
  • Dietes (Dietes vegeta) (julho a novembro)
  • Espiguinha (Mimosa daleoides) ((janeiro a fevereiro)
  • Esponjinha vermelha (Calliandra twedii) (janeiro a dezembro)
  • Esporinha (Delphinium sp) (julho a novembro)
  • EupatĂłrio-roxo (Eupathorium macrocephalum) (janeiro a maio)
  • FeijĂŁo-de-praia (Sophora tomentosa) (agosto a março)
  • Fumo (Nicotiana tabacum) (dezembro a abril)
  • Funcho (Foeniculum vulgare) (dezembro a março) v
  • GrevĂ­lea (Grevilea banksii) (janeiro a dezembro)
  • Guaco-liso (Mikania cordifolia) (julho a agosto)
  • Guanxuma (Sida rhombifolia) (dezembro a março)
  • Guiso-de-cascavel (Crotalaria lanceolata) (janeiro a março)
  • Jasmim-estrela (Jasminum azoricum) (novembro a janeiro)
  • Lanceta (Eclipta alba) (janeiro a fevereiro)
  • Laranjeiras, limoeiros, tangerinas (Citrus spp) (setembro a outubro)
  • Madressilva (Lonicera japonica) ((setembro a outubro)
  • Malmequer (Aster laevis) ((outubro a novembro)
  • Mangueira (Mangifera indica) (julho a setembro)
  • MargaridĂŁo amarelo (Tithonia speciosa) (abril a maio)
  • ManjericĂŁo (Ocimum sellowii) (novembro a junho)
  • Maria-sem-vergonha (Impatiens sultanii) (janeiro a dezembro)
  • Murici (Byrsonima intermedia) (novembro a junho)
  • MuçambĂŞ (Cleome spinosa) (novembro a dezembro)
  • Onze-horas (Mesembryantemum spectabilis) (outubro a dezembro)
  • OrĂ©gano (Origanum vulgare) (dezembro a janeiro)
  • Orelha-de-onça (Tibouchina holoserice) (novembro a janeiro)
  • Palmeira-elegante (Archontophoenix cunninghamia) (fevereiro a junho)
  • Pessegueiro (Prunus persica) (julho a agosto)
  • PicĂŁo branco (Galinsoga parviflora) (julho a novembro)
  • Pitanga (Eugenia pitanga) (julho a agosto)
  • Primavera (Bougainvillea spectabilis) (setembro a novembro)
  • Quaresmeira (Tibouchina granulosa) (janeiro a abril)
  • Sabugueiro (Sambucus australis) (novembro a dezembro)
  • Sálvia vermelha (Salvia splendens) (outubro a novembro; março a abril)
  • Sensitiva (Mimosa pudica) (fevereiro)
  • Serralha (Emilia sonchifolia) ((janeiro a dezembro)
  • Sibipiruna (Caesalpinea peltophoroides) (setembro a outubro)
  • SuĂ­nĂŁ (Erythrina speciosa) (junho a setembro)
  • Tapete-inglĂŞs (Polygonum capitatum) (maio a junho)
  • Tipuana (Tipuana tipu) (outubro a novembro)
  • TumbĂ©rgia (Thumbergia grandiflora) (dezembro a janeiro; abril)
  • Vassourinha (Baccharis trinervis) (dezembro a janeiro)
  • VedĂ©lia (Wedelia paludosa) (outubro a abril)
  • Violeteira (Durante repens) (outubro a maio)


  • Bibliografia: PIRANI, J.R. ET AL, Flores e Abelhas em SĂŁo Paulo, EDUSP/FAPESP; e LORENZI, H. ET AL, Plantas Daninhas no Brasil, Ed. PLANTARUM.

    Voltar